quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Silêncio

Na semana passada um amigo comentou comigo uma passagem de “As Brasas” de Sándor Márai, na qual o personagem principal falava sobre a regra do silêncio que se impõe `as famílias. Silêncio esse que na vida real tornou seu casamento insuportável. Venho martelando sobre isso e talvez essa seja uma das principais razões que me motivaram a escrever esse blog. Sempre me incomodou o não dito, o barulho do silêncio, o lamento das palavras sufocadas, o medo de não poder voltar atrás. Essa necessária regra de sobrevivência permite a continuidade de frágeis relações mas afasta a possibilidade de que sejam externados de forma clara os reais sentimentos e obtida a cura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Encontrei seres