domingo, 29 de novembro de 2009

Domingo em Lausanne

Depois de um sábado perfeito, fui almoçar na deliciosa Creperie D'Ouchy em frente ao Lago Leman. O edifício ao lado (Hotel Anglaterre) foi residência do Lord Byron e foi nesse lugar que ele escreveu o livro "The prisioner of Chillon". Chillon é um chateau medieval entre Lausanne e Montreux. Em 2006, fiquei impressionado com a masmorra. Além de gelada, existem minúsculas janelas que deixam entrar a umidade e até mesmo um pouco de água para adoecer rapidamente os hóspedes. De cima do castelo, perto dos luxuosos aposentos, existia uma portinhola que quando aberta permitia ao Conde de Savoy escutar os gritos das pessoas que estavam sendo torturadas no porão. Outro dado interessante, nunca esqueci do retrato da Condessa. Aquilo sim que era tortura. Mas o Conde fez por merecer. Depois dei uma caminhada e passei pelo "Le Musée Olympique". Senti imediatamente uma vibração pelos jogos no Rio. Como no banco em que abri conta eles perguntaram se eu queria ajuda para investir em imóveis e que que haveria disponibilidade de algumas "Maisons au bord du Lac", aproveitei que estava por perto para ver se havia algo do meu gosto. São lindas, mas ainda não é bem isso que eu procuro. Agora é hora de cair na realidade e voltar aos temas de francês.










4 comentários:

  1. Meu caro Terráqueo, essas fotos de Lausanne que você tem postado estão deixando-me mais agoniado, com medo e inquieto... Um lugar que não me passa qualquer emoção ou vida. Desculpe-me se estou sendo sincero e que bom que esteja feliz por aí... Mas lindo é o tal do Rio de Janeiro! Puta que pariu - que cidade é essa?! Mesmo com todas as mazelas, calçadas esburacadas, ruas fedidas, problemas de segurança pública e de saúde... mas mesmo esse mau odor exala VIDA! Só sei que é preciso estar atento e forte! E é o que estou tentando fazer (embora não esteja sendo fácil). Eu quero VIDA na minha vida!!! Tenho medo de deprimir-me (estou lutando contra isso!), mas vou buscar aquela força interior que sei estar escondida em mim. Ás vezes, tenho me descoberto tão "forte e fraco, tão sal e doce"... Caramba, 2010- nunca o início de um ano foi tão desconhecido como uma mega interregação para mim... É assustador ter sua vida completamente suspensa, sem poder fazer aquelas boas "New Year´s Eve resolutions". Não sei o que esperar, o que pensar. Sinto-me sozinho. Amanhã estarei bem, esperando pelo sol pungente desse Rio.

    ResponderExcluir
  2. Meu caro amigo. Não fique agoniado. Pense com calma para ver o que você realmente quer. Trabalho não é tudo na vida, e nada é definitivo. A Suíça não se compara ao nosso amado Rio, mas você estará em contato com uma outra cultura, língua, exposto a novos desafios pessoais, e no meio da Europa. Nos fins de semana você pode pegar um trem e ir para Paris por apenas CHF 300,00. O meu rio é o de "Janeiro", mas lembro bem de você dizer que o seu rio é o "Sena". Lembre que você não estará desistindo de sua família ou do Brasil. Isso é por um tempo. Se não gostar, pode sempre organizar uma volta, com um currículo ainda melhor. Saiba que qual for a sua decisão terá o meio apoio, e que se você decidir vir para essas terras terá um amigo, que lhe quer muito bem, para desabafar, viajar e aprontar um pouco.

    ResponderExcluir
  3. Desculpe-me, Terráqueo, mas ontem eu só teria a minha agonia para te oferecer...
    Estou pensando em tudo isso, sim.De fato, meu rio é o Rio Senna, mas o de Janeiro é a minha alma, também.
    Let´s see.
    Aproveite Praga (que é sensacional!).
    Abs

    ResponderExcluir

Encontrei seres