quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Grotesco

No país do bom gosto, da perfeição, do luxo e do cuidado, não consigo mais pensar em amenidades. Confesso que tento achar um mote, mas não é fácil. Tudo parece tão chatinho. Agora a noite, assisti apaixonados casais patinando no gelo ao som de Burt Bacharah. Esse poderia ser um lindo tema. Algo mais que perfeito. Mas é chato. Chato como tudo que perde a espontaneidade, que precisa estar de acordo com o establishment. Nem cair no chão eles caem. Eu que sempre fui um revoltado contra a estética do grotesco, tão em voga na America Latina, passei a me sentir atraído por ela. Ando pelos sites mais esdrúxulos e pelos lugares sombrios da cidade gótica tendo imenso prazer. Há poucos meses assisti em um Cabaret portenho uma triste Priscilla dublar Pimpinela, que por si só já ultrapassa tudo o que se pode imaginar. Pois não é que hoje me deu uma vontade irresistível de escutá-la berrando com todo fôlego o mantra tão conhecido “me engañaste, me mentiste”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Encontrei seres