sábado, 30 de janeiro de 2010

Jeannie

Nos anos 60 ela antecipou a revolução sexual. Em uma época em que era importante casar virgem, ela escolheu um homem bem mais jovem, decidiu que iria mudar para sua casa, acabou com o noivado dele, assumiu o controle da vida do casal, e estava sempre vestida com uma roupa para lá de sensual. Ainda por cima era linda de doer. Com a maior inocência, mas com grande sensualidade, foi logo dizendo que poderia realizar qualquer desejo que ele tivesse e passou a chamá-lo de amo. Antes que ele reclamasse, lhe tascou um beijo, e como ele estava indeciso com relação a ela, invadiu o seu quarto. Quem cresceu nos anos 60 e 70, sabe muito bem de quem estou falando. Jeannie foi um seriado que marcou uma geração inteira. Como as piadas eram sutis e inteligentes, até hoje adoro assistir. Francamente falando, Jeannie, A Feiticeira e Agente 86 batem qualquer um dos seriados atuais. Eram comédias que questionavam os costumes da época, e que por coincidência mostravam três mulheres independentes e no controle da situação. Naquela época, em que os efeitos especiais eram precários, um bom roteiro e a interpretação dos atores eram essenciais. Talvez seja por isso que esses seriados até hoje fazem tanto sucesso.




4 comentários:

  1. Terráqueo querido,
    Que beleza recordar estes belos tempos da TV e de nossas vidas.
    Bj
    Margot

    ResponderExcluir
  2. Que bom que você gostou. Eu acho esses programas inteligentíssimos.

    ResponderExcluir
  3. Também acho atemporais e de extremo bom gosto. O bom gosto sumiu do planeta. O mau gosto ampliou o leque. E a ausência de gosto virou a própria maria vai com as outras.

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro a Jeannie. Sempre adorei. E a Samanta, claro. Mas a Jeannie era e é mais atual. Mais moderna. Mais deliciosamente e terrivelmente mulher. Sou fã.

    ResponderExcluir

Encontrei seres