segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Mais Londres

Um amigo faz sempre muita diferença, mas esse não é o ponto dessa postagem. Nessa minha última viagem tive o apoio de um amigo super descolado, que embora seja brasileiro, conhece como poucos, não só a Londres jurídica mas também a Londres do “beautiful people”. Eu sei que a expressão é péssima, totalmente incorreta politicamente, mas eu gosto é de gente bonita, cidade bonita, histórias bonitas, quadros bonitos. Não gosto de nada feio, triste ou cinza. Sou um esteta. Um dos lugares que me levou foi um simpático restaurante italiano em Chelsea chamado La Famiglia. A comida é ótima e é freqüentado pelos moradores do bairro em um ambiente que lembra o do Carlota de São Paulo. Uma coisa bem Terráqueo. Depois fomos para um lugar em Notting Hill que, embora com uma decoração inglesa clássica muito elegante, tem uma atmosfera que lembra muito a do meu queridíssimo Londra no Rio. Chama-se BBB – Beach Blanket Babylon. No porão de tijolos e pedra fica um restaurante requintado e em cima um bar central rodeado de pessoas na faixa dos 30 para cima, que conversam entre si de uma forma descontraída e acabam meio que dançando. Parece o Rio. Quando cheguei, morri de inveja do DJ que tem o cabelo azul bem no tom do que eu queria ter. Como se não bastasse, eles fazem uns “mojitos” que somente se diferenciam das nossas caipiroscas em razão da hortelã. No final (a balada acaba cedo em Notting Hill) ainda tocou muito Michael Jackson, que mesmo quando era brega eu adorava. Muito bom também o tour "London by Night" recebendo as informações sobre os lugares. Só senti não ter ido para o autódromo ver a até quanto agüenta aquele fantástico carro esporte. Aquilo não é comum nem na Suíça. Agora, como nada é perfeito, estou na terra do “désolé” e já estou bem desolado, mas prestes para dar um grande, um big “désolé”. Aguardem os próximos capítulos. Haverá uma mudança de direção considerável.

11 comentários:

  1. Querido Marcelo
    Estava ansiosa por notícias, já havia acessado o blog 5 vezes, uma inclusive ontem à noite na casa da Ana Paula e Paulo e nada de notícias. Cheuei a pensar que o retorno de Londres tb estava sendo complicado. Mas, pelo jeito em breve teremos notícias bombásticas. Já que não é o cabelo azul, vejamos o que vem de azul na tua vida.
    Bj, Margot

    ResponderExcluir
  2. Quem sabe algo com muito verde, com muito azul e amarelo na frente da casa?

    ResponderExcluir
  3. Confesso que tenho uma ponta de admiração pelo sujo, decadente, feio que gera certos movimentos underground, alternativos e de vanguarda. NYC seria muito chata se fosse apenas a Park Avenue. Berlim seria um porre se não fosse Kreuzberg. O que seria de Bs As sem a Boca?

    ResponderExcluir
  4. Désolé c' est moí!!! De não poder conter a inveja (que juro cor-de-rosa), dessa tua vida branca, azul, vermelha...
    Azul verde e amarela significa retorno às origens??? Ou uma revolução total??? Ou não ??
    Será??
    Beijo krido.
    Marie

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Querida Marie,

    Ainda não sei a intensidade dessas mudanças, mas talvez me levem de volta ao meu querido Brasil verde e amarelo muito logo, com o cristo abraçando a cidade maravilhosa todos os dias quando saio de casa, com o samba dos anos 30 e 40 da Lapa e o rufar dos tambores da minha amada Mangueira, com muita praia, sol e palmeiras imperiais.

    ResponderExcluir
  7. Maia, perfeita a tua observação e posso imaginar que você adore locais alternativos. Eu também. O alternativo de Berlim, do Soho e da Boca é uma delícia. Esses lugares são inclusive muito bonitos. Você os vê em cartões postais. Não digo o mesmo de alguns lugares de New Jersey. Tem uns lugares bem complicados. Se furar um pneu você está morto. Vou muito a Lapa e gosto da África. Acho tudo muito interessante, colorido e alegre. Sou um colecionador de arte africana inclusive. Por favor, não confunda simples com feio. Acho linda uma casinha de madeira no campo sem pintura alguma, como existe em Antonio Prado, nos campos de cima da cerra no RS. No entanto, acho medonho um castelo medieval na entrada de Torres ou edifícios com lajotas coloridas ou granitos caros tão comuns nos prédios brasileiros. Isso é feio, cafona, de mal gosto definido. Me agride também a feiúra das nossas favelas, que somente em filmes ou novelas da globo são bonitas ou românticas. O próprio Vinicius detestou o filme Orfeu Negro pois retratou a pobreza como se fosse algo lindo e poético enquanto é algo extremamente sofrido, violento e nada bonito. Não consigo achar bonito algo que gera sofrimento para muitos. Um grande abraço,

    Terráqueo

    ResponderExcluir
  8. Terráqueo, sou seu fã enloouquecido! Simplesmente, esse seu texto afastou, por uma noite, a minha agonia e me fez rir horrores! Ri tanto de dar dor na barriga... Essa sua mudança de curso e de ventos seria uma verdadeira tsunami para essa putada de terráqueos (kkk). Eu sei que estou diante de um fechativo terráqueo! Então, feche geral e provoque uma avalanche nessas terras, que venha a soterrar tudo e, principalmente, o GS! KKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  9. Também sou seu fã. Você é um grande amigo.

    Abraço,

    Terráqueo

    ResponderExcluir
  10. Um dia pretendo subir algum morro da zona sul: Vidigal, Pavão, Pavãozinho, da Rocinha...

    ResponderExcluir
  11. Isso é o que eu chamo de subir na vida.

    Boa sorte, favor não levar o resto da sua família pois tem muita bala perdida. Espero também que você tenha um bom seguro de vida.

    Abraço,

    Terráqueo

    ResponderExcluir

Encontrei seres