sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sogras e Noras

O curioso Miguel, com apenas 3 anos, entrou correndo na cozinha, viu a porta do armário de baixo da pia aberta, e passou a tirar as panelas, derrubando as tampas e canecas no chão. Sua avó, Dona Terezinha, falou:
- Miguel, você não pode fazer isso. Você pode se machucar.

A nora respondeu:
- Meu filho, você não está na sua casa. A gente não mexe na casa dos outros.

A avó imediatamente replicou:
- Miguel, a casa da vovó é sua também. Eu estou dizendo que você não pode brincar com as panelas para te proteger, e também para te dar educação.

Dois meses depois, enquanto a mãe esticava-se no sofá da sala, o pequeno Miguel entrou correndo na cozinha da avó, escorregou, e se estatelou no chão, abrindo um berreiro. A mãe e a avó ficaram aflitas e passaram a consolar o menino. De repente, a nora mencionou:
- Acho que precisamos levar ele ao médico. Não sei como vocês deixaram isso acontecer.

A avó logo respondeu:
- Não se preocupe, não foi nada grave. Aquela vez que você derrubou o Miguel de ponta cabeça no chão, a batida foi muito maior, e nada aconteceu.

3 comentários:

  1. Essa D. Terezinha é fechativérrima! kkkk. Certa a D. Terezinha! Certíssima.
    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ela é o tipo de personagem que eu gosto.

    ResponderExcluir
  3. Há sempre um clima entre sogras e noras. Mesmo quando se dão muito bem, há sempre um que de disputa, de pé atrás, desconfiança... sei lá. Alguém, algum um, dia escreverá um tratado filosófico a respeito dessa relação tão instável.
    Bjs
    Lúcia

    ResponderExcluir

Encontrei seres