sábado, 6 de novembro de 2010

O que fazer quando lhe vendem a vida após a morte?

A idéia de vida além da morte, de um eterno descanso, de ficar mais perto de Deus, ao invés de lhe confortar, lhe dava irritação. Não que tivesse medo da vida além túmulo, que lhe seria sem dúvida benéfica, ou temesse as conseqüências do juízo final, pois não se considerava nem credor nem devedor da vida, era provavelmente um ser ético e até agradável. Mas o fato de as criaturas que se arvoravam ter a palavra de Deus, repetirem dogmas improváveis, para que pudessem controlar o seu arbítrio, lhe causava mal estar. Assim, muito mais cedo do que imaginavam, percebeu o jogo de dominação e lhes disse não. Escapou e fugiu para um lugar em que pudesse ver tudo com distanciamento. Anos depois, quis fazer uma leitura poética do que haviam lhe ensinado, mas não foi possível, pois as verdades repetidas incessantemente eram tragi-cômicas. Suas lembranças, tornaram-se então histórias naturalistas, rodriguianas, superficiais ou engraçadas, como a vida que levou e leva até hoje, sem culpa de ser feliz quando consegue.

2 comentários:

  1. Pode ser que cada um tente fazer o melhor com o conhecimento e o entendimento que tenha, em determinado momento. As limitações humanas e a visão de mundo possível impedem o acerto total. Para isto existe o perdão, que torna a vida mais leve e nos permite amar as pessoas como são. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Assim é a vida e é assim que deve ser... Sem culpa e feliz quando dá.
    Bj
    Lúcia

    ResponderExcluir

Encontrei seres