sexta-feira, 1 de abril de 2011

Falar e ser compreendido na sua plenitude.

Sensacional essa conversa na linguagem do "dadadadá". Sempre achei que seria possível um ser humano ser entendido pelo outro na plenitude, falar e ser compreendido, como desejavam os personagens do Jabor no filme "Eu sei que vou te amar.".

8 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk muito bom! Adorei o post e o trocadilho que fez com os dois vídeos!
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  2. Eles seguem uma regra básica da comunicação: enquanto um fala o outro escuta... Muito fofos, adorei.
    Bjs. Obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Bah, matracas em dose dupla vai ser de dadadadar no pé ahahahahaha
    Falando sério, adorei :)
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Esse ator morreu, não morreu? Era tão expressivo.

    ResponderExcluir
  5. She, os dois diálogos são ótimos mesmo. BJs.

    Lucia, e eles realmente se entendem. Fantástico. Bjs

    Bípede, esse ator morreu poucos anos depois de Aids. Uma pena. Bjs

    ResponderExcluir
  6. Genial! Os bebês são um exagero de fofura!!
    Bjk

    ResponderExcluir
  7. Adorei eles, fiquei louco para ter gêmeos. Como eu sou gêmeo fico na maior curiosidade para saber como eram meus diálogos com a minha gêmea. Pena que os meus pais não estão mais aí para me contarem. Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Imagino que vocês tenham sido uns amores como os pequenos do vídeo! ;-) Bj

    ResponderExcluir

Encontrei seres