terça-feira, 26 de abril de 2011

Mudança de vida

Sua vida estava longe de ser boa. A quitinete em que Jeferson morava era pequena para abrigar sua mulher e filha. Havia perdido seu emprego de vigilante em uma obra, e as contas empilhavam-se sobre a mesa. O corte da luz foi a gota d’água. Seu primo já havia lhe confidenciado que levantava um extra com programas eventuais feitos na calada da noite. Não importava que o programa fosse com homens, isso não abalava em nada sua masculinidade, pois a relação era absolutamente profissional, e ele era sempre o dominante. Assim, movido pelo desespero, procurou seu primo e bolaram um plano diabólico. Ele iria seduzir um velho cheio da nota, levá-lo para um motel, drogá-lo, pegar o cartão de crédito e limpar sua conta. Para tanto, lhe daria um boa noite cinderela, e antes que o velhote apagasse, pediria sua senha bancária. Desprovido de consciência o velho lhe revelaria tudo. Moleza. Seu primo já fizera isso várias vezes, sem problema algum. Chegada a grande noite, ele rumou para o local em que os garotos fazem ponto. O primeiro carro que parou era conduzido por um homem franzino, mal vestido e com cara de pobre. O carro então estava caindo aos pedaços. O segundo carro era conduzido por uma gentil senhora, com brincos de plástico, perfume enjoativo e cara de mais pobre ainda. Nenhum deles serviria ao seu propósito. Que vida dura essa de michê pensou. Só lhe apareciam ralados. Mas quando estava quase desistindo, a sorte lhe sorriu. Um carrão novinho em folha parou, o vidro escuro desceu e ele pode observar a figura de um senhor em torno de 60 anos, com uma gravata colorida e um relógio caro. A porta abriu e eles começaram a conversar. O senhor queria fazer algo ali mesmo, e lhe ofereceu trezentos reais. Isso não adiantaria nada. Ele tinha que drogar o velhote, e dentro do carro isso seria mais difícil. Depois de muito se exibir para o velho, sem se deixar ser tocado, a vítima finalmente sucumbiu e concordou em ir para um motel. Para sua surpresa, de inopino ela virou o carro e entrou em um luxuoso motel situado no Botafogo. Que saco, ele queria ir para o hotelzinho da Lapa em que seu primo esperava na esquina. Mas não tinha problema, ele drogaria o velho, chamaria o primo, e enquanto o velho dormisse o comparsa iria cedinho ao banco efetuar os saques. Dentro do quarto, o velho lhe surpreendeu ao dizer que adorava possuir um jovem e que queria que ele ficasse de bruços. Isso não estava nos seus planos. Não era o que eles haviam combinado. Fingindo que estava calmo, disse-lhe que queria um whisky, e o velho disse que ele poderia pedir o que quisesse ao serviço de quarto. Enquanto a bebida não chegava, ele teve que dar conta do assédio do velho, que já estava nu, querendo beijá-lo a todo custo. Que nojo, e que mal hálito. Nossa, que horror pensou ele. Tentou em vão escapar do velho, que começou a reclamar e a agarrá-lo ainda com maior excitação. Finalmente a campainha tocou, e a bebida foi deixada. Antes que o velho pudesse fazer algo, dirigiu-se a pequena saleta, pegou os dois copos, e jogou o comprimido no copo do velhote. O velho não quis saber de nada, tentava a todo custo penetrá-lo. Com as duas mãos ocupadas, Jeferson teve que se desvirar rapidamente e jogar os copos sobre a mesa. Depois de muito lutar, conseguiu frear aos poucos o velhote. Quando o velhote se acalmou, começaram a beber cada um o seu drink. Algo estranho então começou a acontecer. Ele de repente sentiu uma fraqueza imensa. Seu corpo ficou lento e seus olhos pesados. Ele se deu conta que atordoado havia trocado os copos. Antes que pudesse fazer qualquer coisa, sentiu que estava sendo virado de bruços, e a dor foi horrível. Passadas oito horas, acordou tonto e com uma ardência imensa. Ao seu lado, estava deitado o velhote com um sorriso largo nos lábios. Indignado, ele empurrou o seu algoz que não reagiu. Foi quando percebeu que o velhaco estava gelado, inerte, sem respirar. Ele não aguentara tamanho prazer. Jeferson havia sido demais.

4 comentários:

  1. Perdeu a virgindade e não recebeu o pagamento. Teve que se explicar para a polícia, sua mulher ficou sabendo e o deixou. Sem trabalho, sem mulher, sem casa, caiu em depressão e acabou na cracolândia onde, pra arrumar algum, faz programas e se diverte com a idéia de matar mais alguns velhotes de felicidade.

    ResponderExcluir
  2. Lúcia, sensacional essa final. Se um dia eu publicar um livro acrescento esse final ao conto. Obrigado. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Que realismo! O conto é ótimo. A quatro mãos, ficou perfeito!

    ResponderExcluir
  4. A Lúcio é tão talentosa que em seis linhas conseguiu desenvolver todo o futuro do rapaz. Adorei. Bjs.

    ResponderExcluir

Encontrei seres