domingo, 4 de setembro de 2011

A humilhação

Sensacional o livro “A humilhação” de Philip Roth, um dos mais respeitados escritores norte-americanos, vencedor do prêmio “Pullitzer”, recebedor da “Medal of Arts na Casa Branca”, e da “Gold Medal for Ficton da American Academy of Arts and Letters”, dentre diversos outros prêmios. O fato de ser o único escritor norte-americano vivo a ter sua obra completa publicada pela “Library of America” mostra bem a qualidade dos seus textos. O livro conta a história de um famoso ator de teatro que ao envelhecer não consegue mais atuar, e tampouco tolera as perdas e a crítica que o ridiculariza. Com medo de cometer suicídio, interna-se em uma clínica psiquiátrica na qual encontra uma mulher que havia surtado ao perceber que seu terceiro marido estava abusando sexualmente da sua filha, e que lhe pede para ajudá-la a matá-lo. Quando ele consegue melhorar e ter alta, se envolve amorosamente com a filha lésbica de um casal de amigos, que havia sido abandonada pela sua companheira que decidira se transformar em homem. O resto eu não conto, porque não saberia fazer sem reduzir a importância do texto de Philip Roth. A linguagem é moderna, realista, mostra a dificuldade das perdas que inevitavelmente acontecem quando a idade avança. Mas mesmo contando uma história de conflitos e perdas, é tão bem escrita que não pesa. Muito pelo contrário, uma vez começada ela prende o leitor prazerosamente.

7 comentários:

  1. Comprei o Homem Comum, o Animal Agonizante e o Fantasma sai de Cena. Adorei os títulos. Têm mais alguns na livraria, mas vou ler esses antes de comprá-los.
    beijosss

    ResponderExcluir
  2. Bípede, estou adorando o homem comum. Só a descrição sucinta da terceira mulher do personagem principal que estava sendo operado de emergência do coração, já vale a leitura, pela ironia fina e perspicaz.

    "Sua mulher na época - a terceira e última - não era nem um pouco parecida com Phoebe, e nas situações de emergência era uma verdadeira castástrofe. Não lhe inspirou nenhuma segurança na manhã da cirúrgia, seguindo ao lado da maca aos prantos, torcendo as mãos, exclamando de modo incontrolável: "E eu"?."

    ResponderExcluir
  3. Meu Lindo, eu amo ao autor mas esse livro me deu uma angustia...eh um livro cru. Voce leu O Segredo do Ourico que eu te mandei? Beijos, Mel

    ResponderExcluir
  4. Ele é muito duro pois mostra a perda do amor próprio, a decadência inevitável, e como o apego a vaidade e às aparências levam a pessoa a um fim triste. Mesmo assim, eu amei o livro. Ainda não li. Será o próximo. Agora estou lendo "O Senhor do Lado Esquerdo" do Alberto Mussa. Conta a história do assassinato de um Secretário de Estado, em um prostíbulo que funcionava na antiga casa da Marquesa de Santos, e como isso repercutiu no Brasil daquela época. Sensacional. Bjsl

    ResponderExcluir
  5. Gostei bastante da obra. Não podemos esquecer que 20% da nossa população sofre de depressão, mas Roth aborda o tema da humilhação, o que ainda torna mais abrangente este livro. O sofrimento daquelas personagens é um excelente retrato do sofrimento de muitos cidadãos.

    ResponderExcluir
  6. Ele é de um realismo impressionante. Li o Homem Comum é me identifiquei muito com o personagem. Alguns pensamentos e sensações descritos no livro, habitam a minha cabeça faz muito tempo. Obrigado pela visita. Volte sempre.

    ResponderExcluir
  7. Fantástico!:

    http://numadeletra.com/29061.html

    ResponderExcluir

Encontrei seres