domingo, 18 de setembro de 2011

Les Feuilles Mortes - Oh, je voudrais tant que tu te souviennes


Oh, je voudrais tant que tu te souviennes
Des jours heureux ou nous etions amis
En ce temps-la la vie etait plus belle
Et le soleil plus brulant qu'aujourd'hui

Les feuilles mortes se ramassent a la pelle
Tu vois, je n'ai pas oublie
Les feuilles mortes se ramassent a la pelle
Les souvenirs et les regrets aussi

Et le vent du nord les emporte
Dans la nuit froide de l'oubli
Tu vois, je n'ai pas oublie
La chanson que tu me chantais

C'est une chanson qui nous ressemble
Toi, tu m'aimais et je t'aimais
Et nous vivions tous les deux ensemble
Toi qui m'aimais, moi qui t'aimais

Mais la vie separe ceux qui s'aiment
Tout doucement, sans faire de bruit
Et la mer efface sur le sable
Les pas des amants desunis

Les Feuilles Mortes

Ah, eu queria tanto que tu te lembrasses
Dos dias felizes que éramos amigos
Naquele tempo a vida era mais bela
E o sol mais quente do que hoje

As folhas são recolhidas por uma pá
Tu vês, eu não esqueci
As folhas são recolhidas por uma pá
As memórias e os arrependimentos também

E o vento do norte os leva
Na noite fria do esquecimento
Tu vês, eu não esqueci
A canção que você cantou para mim

É uma canção que se assemelha a nós
Tu, tu me amavas e eu te amava
E todos nós dois vivemos juntos
Tu que me amavas, eu que te amava

Mas a vida separa aqueles que se amam
Tão docemente, sem fazer barulho
E o mar apaga sobre a areia
Os passos dos amantes desunidos.

6 comentários:

  1. Essa canção é lindíssima, Terráqueo! Gosto demais, principalmente cantada por nosso saudoso Ives Montand...É tão idílica, parece um sonho. aliás, é um sonho mesmo..."les feuilles mortes se ramassent a la pelle.." quel dommage...!

    um beijo

    ResponderExcluir
  2. Cirandeira, essa música me lembra um grande amor que costumava caminhar na praia comigo, mas cujas pegadas há muito o mar apagou, e também meu pai que adorara o Yves Montand.

    ResponderExcluir
  3. Arrumando o armário de livros, hoje, deparei-me com antigos papeis amarelados pelo tempo, papeis que me lembraram um amor antigo, papeis com poemas, juras, planos... É, a vida separa aqueles que se amam, e as palavras lidas nesse antigos papeis me deixaram com uma doce melancolia.

    ResponderExcluir
  4. Isso aconteceu comigo há algumas semanas e fiquei arrasado. Tens sorte de ter sido apenas uma "doce" melancolia. Brincadeira. Amo a tua sensibilidade. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Na verdade eu amenizei um pouco os verdadeiros sentimentos que me nocautearam naquela tarde, "doce melancolia" foi uma forma poética de descrever a tristeza que me invadiu... a vontade era de fechar os olhos e voltar no tempo, tentar viver a vida de outra forma, trilhar outro caminho... Olhos tristes e úmidos... Coração doendo... Respirei fundo e tentei me convencer de que não era para ser e talvez não fosse mesmo, quem sabe? Desci a rua e fui pra academia, malhar esse coração frágil, sem nem mesmo uma música para me servir de bálsamo e consolo, havia esquecido de carregar o iPod rsrsrs A vida segue!
    Beijos
    PS: como vão os joelhos?

    ResponderExcluir
  6. Eu entendi Lucia, eu apenas quis brincar contigo. O bom é que essa doce melancolia com o tempo vai ficando mais tolerável. Bjs.

    ResponderExcluir

Encontrei seres