quinta-feira, 21 de março de 2013

Inventing Abstraction 1910- 1925 - MOMA

Lavei a alma nessa tarde no MOMA, vendo um bom abstracionismo, de gente que entre 1910 e 1925, retirou da pintura o aspecto figurativo, para apenas com tinta, cor e luz, criar sobre uma superfície plana, pinturas de primeira categoria. Eles sabiam o que estavam fazendo. Não acordaram um belo dia, viram que não tinham feito nada na vida, e decidiram ser artistas, fazendo apenas borrões ou manchas aleatórias. Seus trabalhos são pensados, elaborados, criativos, e inovadores, sem pensarmos que surgiram no início do Século XX. A exposição também mostra o abstracionismo na escultura e na música, com destaque para as composições de Igor Stravinski e Debussy. Valeu também visitar a exposição sobre Edvard Munch que tem como destaque uma das versões do "Grito". Depois, passei horas a admirar as imensas telas de Monet, Picasso, Cezanne, e duas belíssimas obras de Modigliani (que é o meu preferido). Legal foi ver um menino, de no máximo 12 anos, sentado no chão, fazendo um belíssimo desenho, inspirado em uma das pintura do Modigliani, com um lápis daqueles que tem uma borracha na ponta. Deveria ter me oferecido para comprar, pois com o talento do menino, no futuro ele estará em um museu também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Encontrei seres